Faça parte. Contribua. Aprenda.

Contribua e aprenda com grandes intelectuais.
Doe R$ 200 ou mais e ganhe um curso. — Professor do mês: Ricardo Lodi Ribeiro.

Instituto Lula

Menu

"Sozinhos, podemos ser mais rápidos, mas juntos podemos avançar mais longe", diz presidente do Peru sobre integração

05/06/2013 11:35

"No lugar onde eu estiver, na hora que for, a integração da América Latina para mim será uma profissão de fé. Porque não posso conceber que nascemos para ser pobres". Ao lado do presidente peruano Ollanta Humala, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva falou na manhã desta quarta-feira (5) a uma platéia de 400 empresários e políticos peruanos e brasileiros na celebração dos 10 anos da Aliança Estratégica entre os dois países, firmada por Lula com o então presidente peruano Alejandro Toledo, em 2003.

Para ver mais imagens e baixar fotos em alta resolução, visite o Picasa do Instituto Lula. Para ler o discurso lido na íntegra do ex-presidente Lula, clique aqui.

Lula e Humala comemoraram as conquistas desses últimos dez anos. Na última década, a corrente de comércio entre Brasil e Peru passou de US$ 650 milhões em 2002, para US$ 3,7 bilhões em 2012, o que significa um aumento de 464%. Desde 2012, praticamente todos os produtos peruanos entram no mercado brasileiro com alíquota zero. Em 2017, o mesmo deve ocorrer com produtos brasileiros vendidos ao Peru. A integração física também avançou significativamente, com obras como a conclusão da rodovia Transoceânica, que liga o Brasil ao litoral peruano, oferecendo uma alternativa de transporte de produtos brasileiros para o Pacífico e impulsionando a integração entre os dois países.

No entanto, Lula e Humala concordaram que esses números não representam o enorme potencial que existe para avançar. O presidente peruano, que chamou Lula de "compatriota", disse que a integração entre Brasil e Peru é um caminho natural. Para Humala, o Peru é a saída natural do Brasil ao Pacífico e o Brasil é a saída natural do Peru ao Atlântico.

Desafios para o futuro
"Sozinhos podemos ser mais rápidos, mas juntos podemos avançar mais longe", resumiu o presidente peruano ao final de seu discurso. Humala lembrou que o Peru tem um grande potencial na agroexportação, mas não pretende vender apenas commodities, por isso está interessado também na transferência de tecnologia, para mudar o perfil do comércio peruano. E, concordando com Lula, enumerou desafios de integração, que vão desde a infra-estrutura até a superação de barreiras burocráticas. "Precisamos fazer [a integração] caminhar ainda mais rápido".

O presidente peruano disse que um dos desafios é exatamente a violência, muitas vezes acompanhada do narcotráfico. Humala disse que a preocupação dos políticos deve ser por uma sociedade mais igualitária e, para isso adotou políticas de combate à pobreza, seguindo o exemplo de Lula no Brasil. Lula, por sua vez, disse que investir no pobre foi fundamental para o sucesso econômico do Brasil mesmo durante a crise internacional e que isso resulta em menos violência e mais cidadãos.

O papel dos empresários
Falando a uma platéia de empresários, o ex-presidente brasileiro e o presidente peruano destacaram o papel importante da iniciativa privada na integração. Humala disse que seria loucura não apoiar os investimentos nessa integração. Lula disse que os presidentes deveriam sempre viajar com empresários, porque são eles que têm a capacidade de transformar as decisões dos governantes em coisas práticas. "Os empresários devem ter o papel de cobrar que aquilo que os presidentes assinaram está acontecendo". Humala acrescentou que, muitas vezes, um funcionário de segundo ou terceiro escalão cria uma dificuldade burocrática que emperra uma excelente iniciativa governamental.

Miguel Vega Avelar, presidente da Câmara de Comércio Brasil-Peru, que convidou o ex-presidente para o evento, fez a fala introdutória, na qual apresentou um número impressionante. Nos últimos 10 anos, Brasil e Peru tiveram mais encontros empresariais do que nos 280 anos precedentes. "Juntos somos fortes, poderosos. Como o senhor foi protagonista dessa história, seja benvindo ao Peru, amigo do Peru e amante da América Latina. Seja benvindo sempre entre nós".

Também falou Jorge Barata Simões, presidente do grupo Brasil. "Esta não foi mais uma década. Foi 'a' década, com importantes mudanças que abriram oportunidades de desenvolvimento sem precedentes para a região".

À tarde, Lula receberá o título de doutor honoris causa da Universidade Nacional Maior de São Marcos, a mais antiga universidade das Américas, fundada em 1551.

Na quinta-feira (6), em Quito, no Equador, Lula se encontra com o presidente Rafael Correa e recebe a Condecoração da Ordem Nacional de San Lorenzo.

Na sexta-feira pela manhã (7), Lula faz uma palestra para a Câmara de Comércio Equatoriana Brasileira e à tarde recebe títulos de doutor honoris causa concedidos por três instituições equatorianas: a Universidade Internacional do Equador, a Universidade Andina Simon Bolívar e a Escola Superior Politécnica del Litoral.

Na própria sexta-feira Lula retorna para São Bernardo do Campo.