Instituto Lula

Menu

Cais do Valongo, no Rio, é eleito Patrimônio da Humanidade

21/07/2017 16:44

Cais da Imperatriz, construído para receber Teresa Cristina quando veio se casar com Dom Pedro II, e o Cais do Valongo, considerado o maior porto de escravos das Américas do Séc XIX. (ACRJ). Foto: Wikimedia Commons

Por Natalia da Luz, do Por dentro da África

Neste domingo (9 de julho), o Comitê do Patrimônio Mundial da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) inseriu o Cais do Valongo, no Rio de Janeiro, na lista de Patrimônio Mundial. Considerado o maior ponto de comércio de escravos do mundo, o Rio de Janeiro abriga uma região chamada de Pequena África por abranger inúmeros aspectos da cultura africana, trazida durante a travessia de mais de 300 anos de tráfico transatlântico. Apenas no século 19, desembarcaram mais de 500 mil africanos escravizados no Cais do Valongo.

O Cais do Valongo foi declarado patrimônio nacional em novembro de 2013, quando a UNESCO considerou o local parte da chamada “Rota do Escravo”, projeto criado pela instituição em 2006 para destacar o patrimônio material e imaterial relacionado ao tráfico de escravos no mundo. Construído para ser ponto de desembarque e comércio de escravos, em 1843 ele foi transformado no Cais da Imperatriz para receber Teresa Cristina, que se casaria com D. Pedro II.

Saiba mais:“O Valongo foi o maior ponto de desembarque de africanos escravizados”, diz Milton Guran

“O Cais do Valongo foi o maior ponto de desembarque do tráfico transatlântico. Em torno do cais, se desenvolveu um complexo escravagista com armazéns, pontos de venda de escravos, mercados, casas comerciais. Este foi o maior porto escravagista, com a maior transferência forçada de toda a história da humanidade”, disse, em entrevista exclusiva ao Por dentro da África, Milton Guran, antropólogo e coordenador da indicação do Cais do Valongo ao título de Patrimônio da Humanidade.

Saiba mais: Cais do Valongo: ponto de partida para o circuito da Herança Africana no Rio