Faça parte. Contribua. Aprenda.

Contribua e aprenda com grandes intelectuais.
Doe R$ 200 ou mais e ganhe um curso. — Professor do mês: Marcio Pochmann.

Instituto Lula

Menu

Como o Instituto Lula contribui com o combate à miséria e à fome?

13/07/2015 15:21

O ex-presidente Lula, durante visita a Angola. Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula

Uma das principais missões do Instituto Lula é contribuir com o combate à fome na África e no mundo. Durante seus oito anos de mandato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva investiu em políticas que ajudaram a tirar o Brasil do Mapa da Fome da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentos (FAO) e cumprir o primeiro Objetivo de Desenvolvimento do Milênio (reduzir a fome e a miséria pela metade até 2015) e a meta da Cúpula Mundial de Alimentação (reduzir em 50% o número de pessoas subalimentadas). Por isso, o Brasil retirou mais de 19 milhões de pessoas da condição de subalimentação. Por isso, ao sair do governo, Lula definiu dois focos principais aos trabalhos a serem desenvolvidos pelo Instituto: a África e a América Latina, dois continentes em franco desenvolvimento aos quais Lula havia dedicado especial atenção quando presidente.Saiba mais sobre as ações do Instituto Lula:

Como Lula continua a lutar por essa causa se não é mais presidente?

Principalmente no intercâmbio do conhecimento e da experiência acumulados por ele e sua equipe com países em desenvolvimento que enfrentam desafios similares aos brasileiros. Lula faz palestras gratuitas, reúne-se com autoridades e lideranças de movimentos sociais, participa de simpósios, debates, fóruns, conferências, sempre falando sobre os programas de combate à fome, de inclusão social, de agricultura familiar, de distribuição de merenda escolar, que ajudaram o Brasil a conquistar os avanços sociais dos últimos 12 anos.

Veja como foi a conversa de Lula com jovens de 20 países africanos em 2014.   

O Instituto dá dinheiro a esses países?

Não. O Instituto Lula não faz qualquer tipo de repasse em dinheiro a governos de nenhum lugar do mundo. Também não financia, nem busca financiamento para projetos de nenhum tipo. Nossa atuação é sempre no sentido de compartilhar a experiência das políticas públicas do governo Lula de combate à miséria e à fome, de incentivar a luta pela paz e pelo respeito aos direitos humanos, de fortalecer a democracia e cooperar no intercâmbio cultural e comercial entre o Brasil e os continentes africano e latino-americano.

E adianta alguma coisa esse trabalho?

Depois de quatro anos de trabalho, temos certeza que sim. O ex-presidente Lula continua sendo uma grande referência mundial e é constantemente convidado para receber homenagens ou visitar países de todo o mundo. O Instituto Lula recebe convites para diversos eventos nacionais e internacionais e sempre é apontado como referência no combate à exclusão social. Em 2013, o secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban-Ki Moon, afirmou que o modelo do bolsa família vem sendo replicado com sucesso na África . Até para a cidade de Nova York o programa serviu de modelo. Hoje em vários países do mundo, em particular na África e na America Latina, estão em execução programas sociais e políticas públicas inspirados em programas brasileiros, como Etiópia, Senegal e Angola.

De que tipo de evento o IL participa?

Por exemplo, o Instituto ajudou na promoção do seminário realizado em 2013 em conjunto com a União Africana , o Nepad (a agência de desenvolvimento da África) e a FAO, em Adis Abeba, que contou a participação de sete chefes de Estado e de Governo, 400 autoridades, representantes de organismos multilaterais e estudiosos que definiu um programa de ações visando a erradicação da fome em África até 2025, proposta referendada depois, em janeiro de 2015, pela Conferência da União Africana. Em 2012, organizou o "Fórum para o Progresso Social " em Paris, em conjunto com a Fundação Jean Jaurès, com a presença de intelectuais de todo o mundo, do presidente francês François Hollande e da presidenta Dilma Rousseff.. Neste ano de 2015, participou de dois importantes fóruns de troca de experiências sobre inclusão social, em Costa do Marfim e Senegal. A Iniciativa América Latina já organizou dois importantes fóruns em 2015  e a Iniciativa África já realizou seis debates abertos da série "Conversas sobre África".

O governo dá dinheiro ao Instituto Lula com esses fins?

Não. O Instituto Lula não recebe qualquer tipo de verba pública. Ele é financiado por contribuições de pessoas físicas e jurídicas e realiza eventos e atividades em parceria com organismos multilaterais, ONGs e entidades do movimento social. Por exemplo, o último "Conversas sobre África" foi promovido em parceria com o Grupo Olodum, a Coordenação Nacional das Entidades Negras, CONEN, e Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo.

Por que não fico sabendo das coisas que o Instituto Lula faz?

Para saber das atividades do Instituto Lula, visite sempre o nosso site, onde postamos diariamente notícias, vídeos, áudios e fotos dos eventos realizados pelo Instituto e das atividades que contam com a participação do ex-presidente. Você também pode encontrar conteúdos sobre as atividades de Lula em sua página no Facebook, e no Twitter do Instituto, todos de acesso público e aberto. Além disso, informamos diariamente as atividades do ex-presidente para imprensa, blogs, veículos de entidades das organizações civis. O Instituto Lula mantém uma equipe para atender as solicitações da imprensa nacional e estrangeira.