Faça parte. Contribua

Vamos juntos manter o Instituto Lula em atividade neste primeiro semestre de 2018

Participe

Instituto Lula

Menu

Indicadores mostram avanços educacionais de 2004-2014

04/10/2017 15:29

Nova Iguaçu-RJ, Bairro Miguel Couto, 05/11/2014. Professora de Matemática do CIEP Ministro Salgado Filho, Camile Dias Simão Morestrello, em sala de aula. Foto: Sergio Amaral/MDS

Da Fundação Perseu Abramo 

Uma publicação do antigo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), disponível no novo site hospedado no Portal da Fundação Perseu Abramo, apresenta uma seleção de indicadores sociais brasileiros de educação, mercado de trabalho, infraestrutura domiciliar e acesso a bens duráveis e serviços, construídos a partir dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), que mostra os avanços do Brasil de 2004 a 2014.

No âmbito federal, os dados refletem a prioridade que os governos petistas deram à educação em seus diversos níveis. A publicação mostra que a evolução da taxa de frequência escolar bruta da população de 0 a 3 anos de idade foi muito significativa, indo de 13,4% das crianças nessa faixa etária, em 2004, para 24,6%, em 2014.

Entre os 20% mais pobres, o percentual quase dobrou, indo de 8%, em 2004, para 15%, em 2014. Já a evolução da taxa de frequência escolar bruta da população de 4 a 5 anos de idade cresceu de 61,5%, em 2004, para 82,7%, em 2014, sendo que entre os 20% mais pobres pulou de 52% para 77,4%.

Além disso, a média de anos de estudo da população de 25 anos de idade ou mais passou de 6,4, em 2004, para 7,8, em 2014. Entre os 20% mais pobres, esta média foi de 3,4 anos, em 2004, para 5,5, em 2014. E a evolução das pessoas de 25 anos de idade ou mais com ensino superior completo passou de 8,1% da população, em 2004, para 13,2%, em 2014, o que reflete a prioridade dada pelos governos petistas ao ensino superior. Entre os 20% mais pobres, essa taxa passou de 0,2% em 2004 para 1,3% em 2014.

Da mesma forma, reduziu a porcentagem da população brasileira de 25 anos ou mais sem instrução ou com ensino fundamental incompleto, de 57,8%, em 2004, para 43,7%, em 2014. Entre os 20% mais pobres, essa taxa variou de 85,6% da população para 63,9%, entre 2004 e 2014.

Link relacionado:
Estudo técnico nº18/2016: Indicadores Sociais da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) por Unidades da Federação de 2004 a 2014 

Para conhecer mais políticas públicas de educação dos governos Lula e Dilma, visite o site Brasil da Mudança.