Instituto Lula

Menu

Em Barcelona, Lula recebe 24º Prêmio Internacional Catalunha

13/12/2012 17:10

Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula

O ex-presidente Lula recebeu na noite desta quinta-feira (13) em Barcelona o 24º Prêmio Internacional Catalunha. A premiação foi entregue pelo presidente do governo autônomo da Catalunha, Artur Mas. O prêmio é destinado a pessoas que tenham contribuído com o desenvolvimento de valores culturais, científicos ou humanos.

Durante sua fala, Artur Mas disse que, apesar de a catalunha ter conquistado há algumas décadas o estado de bem estar social que o Brasil almeja, agora o Brasil toma esse caminho de forma bem decidida e "muitas das coisas feitas no Brasil podem servir de exemplo".

O ex-presidente fez um discurso de agradecimento em que destacou que o Brasil não se projetou no cenário internacional somente porque se tornou a sexta maior economia do mundo, com a perspectiva de tornar-se a quinta nos próximos anos. "O Brasil é reconhecido principalmente porque é hoje uma nação mais justa. Porque tirou da extrema pobreza 28 milhões de brasileiros e promoveu a ascensão de quase 40 milhões de pobres à classe média".

Lula se disse ainda orgulhoso por receber o mesmo prêmio que foi conferido, em 2006, ao brasileiro-catalão Dom Pedro Casaldáliga, em reconhecimento à luta por ele travada em defesa da dignidade do povo pobre da Amazônia. "Casaldáliga levou ao meu país a força espiritual da Catalunha. Nosso bispo, forjado na tradição libertária catalã, é uma referência moral e política para todos os democratas brasileiros". Duas irmãs do bispo na premiação desta sexta-feira.

Lula venceu por unanimidade uma eleição que contou com 177 nomes, de 57 países. Durante o anúncio do prêmio, Artur Mas já havia destacado o caráter do ex-presidente brasileiro, “que o permitiu enfrentar, com criatividade e coragem, a pobreza e a desigualdade”. O catalão disse ainda que a escolha de Lula foi motivada pela luta que travou durante seus dois mandatos pelo crescimento econômico do Brasil e para “erradicar a pobreza e a miséria”.

O júri, presidido pelo escritor e filósofo Xavier Rubert de Ventós, elogiou a política adotada por Lula “a serviço de um crescimento econômico justo, que colocou seu país à frente da globalização e favoreceu uma divisão mais justa da riqueza e das oportunidades”.

Sobre o Prêmio

O Premi Internacional Catalunya é concedido anualmente desde 1989 a personalidades internacionais dos meios político, econômico e cultural. Homenageados anteriores incluem os ex-presidentes ou primeiros-ministros Jimmy Carter (EUA, 2010), Vaclav Havel e Richard von Weizsacker (Rep. Tcheca e Alemanha, compartido em 1995), Jacques Delors (França e União Européia, 1998); os intelectuais Edgar Morin (1994), Karl Popper (1989) e Claude Lévi-Strauss (2005); e os ganhadores do Prêmio Nobel Aung San Suu Kyi (Myanmar, 2008) e Amartya Sen (Índia, 1997). Também recebeu o prêmio o brasileiro de origem catalã Pedro Casaldáliga, ex-Bispo de Conceição do Araguaia (2006).

Discurso lido (não inclui improvisações):

Queridos amigos e queridas amigas,

Ao longo da vida, enfrentei duras batalhas.

Primeiro, como líder sindical, durante a ditadura militar, lutando pelos direitos dos trabalhadores e pela conquista da democracia.

Depois, como líder partidário, para fazer chegar ao poder, pelo voto democrático, um projeto político que fizesse o país retomar o crescimento econômico, gerar empregos, promover a inclusão e reduzir a desigualdade social. O que, felizmente, fomos capazes de realizar nos oito anos em que presidi o meu país.

Quando soube que havia sido agraciado com o importante Prêmio Internacional da Catalunha, em abril deste ano, tinha acabado de enfrentar a mais desafiadora de todas as batalhas, a luta pela minha própria vida.

Eu tinha concluído o tratamento contra um câncer de laringe que fora diagnosticado seis meses antes.

Venci, mas demorei muitos meses para me recuperar dos efeitos colaterais da quimioterapia e da radioterapia.

Agora, já recuperado e pronto para novos embates, venho receber e agradecer de todo o coração a generosidade da Catalunha.

Dessa Catalunha democrática e progressista, que desde a sua heroica resistência ao fascismo, nos anos 30 do século passado, é um símbolo internacional da luta pela liberdade e justiça social.

Minhas senhoras e meus senhores,

É com grande emoção que chego a Barcelona para receber esse prêmio, do qual me orgulho duplamente.

Eu me orgulho porque, como presidente do Brasil, busquei um caminho que unisse crescimento econômico e distribuição de renda. Naquele momento, grande parte do mundo considerava como verdades os dogmas do chamado Consenso de Washington, que davam garantias ao capital especulativo e relegavam a segundo plano o bem-estar dos seres humanos. Adotamos outro modelo de desenvolvimento, privilegiando a economia real. Esse novo paradigma mudou para melhor a situação do meu país e, sobretudo, as condições de vida da população brasileira.

O Brasil não se projetou no cenário internacional somente porque se tornou a sexta maior economia do mundo, com a perspectiva de tornar-se a quinta nos próximos anos.

O Brasil é reconhecido principalmente porque é hoje uma nação mais justa. Porque tirou da extrema pobreza 28 milhões de brasileiros e promoveu a ascensão de quase 40 milhões de pobres à classe média.

Também me orgulho por receber o mesmo prêmio que foi conferido, em 2006, ao brasileiro-catalão Dom Pedro Casaldáliga, em reconhecimento à luta por ele travada em defesa da dignidade do povo pobre da Amazônia brasileira.

A bíblia diz que todos os homens foram feitos à imagem e semelhança de Deus.

Dom Pedro levou esse ensinamento ao limite e sempre viu a face de Deus no rosto de cada um dos desprotegidos daquela região do Araguaia, onde se fixou, e a qual dedicou a sua vida.

Casaldáliga levou ao meu país a força espiritual da Catalunha. Nosso bispo, forjado na tradição libertária catalã, é uma referência moral e política para todos os democratas brasileiros.

Além do mais, como o excelente poeta que é, ele encarna no Brasil, o talento notório dessa terra que nos deu Gaudí, Miró e inúmeros outros magníficos artistas.

Amigos e amigas,

Recebo essa homenagem em nome de todo o povo brasileiro, que foi o grande responsável pelas conquistas do meu país nos últimos dez anos.

Nos oito anos do meu governo, e nos dois da querida presidenta Dilma Rousseff, demostramos que o acesso do pobre aos direitos de cidadania, e ao consumo, é capaz de estimular toda a economia.

O Brasil não distribuiu renda porque cresceu, mas cresceu porque distribuiu renda.

Em 2003, quando assumimos o governo, lançamos o Programa Fome Zero, com o objetivo de alimentar os que não tinham o que comer. Em outubro daquele ano, lançamos o Programa Bolsa Família, já orientado para garantir uma renda mínima mensal aos brasileiros mais pobres.

Vocês, que vivem num continente em que esses problemas foram em grande parte superados há décadas, podem se espantar, mas a garantia de uma renda mínima aos pobres brasileiros revolucionou a economia do meu país.

Os benefícios do Bolsa Família, dados através de um cartao magnetico,  impulsionaram fortemente o nosso mercado interno.

O consumo da população pobre fez prosperar o comércio; o setor de serviços passou a ser uma fonte de renda para aquela população que vivia à margem da sociedade de consumo.

A política de transferência de renda, a ampliação do crédito, a elevação do salário mínimo, entre outras medidas, aumentaram o poder de compra das classes populares e possibilitaram a ascensão social de grandes parcelas da população.

Todos os setores da economia se beneficiaram: alimentos, vestuário, eletrodomésticos, automóveis e construção civil. Foram criados, em 10 anos, 18 milhões de empregos formais.

Foi esse aumento do poder de compra dos brasileiros pobres que deu ao meu país condições de enfrentar as crises financeiras de 2008 e 2009.

Mais investimentos públicos e privados geraram mais emprego e mais renda.

Estes foram os antídotos que nós usamos contra a crise financeira que abalava o mundo, na contramão dos países que exigiam das nações credoras uma política restritiva, que resultava em menos oportunidades, menos renda e no sacrifício de parcelas já desprotegidas da população.

Caros amigos,

Existem várias formas de fazer política. Até dois anos atrás, fiz política através de processos eleitorais democráticos. Foram os votos dos meus conterrâneos que me deram legitimidade para defender, nos fóruns internacionais, uma ordem internacional mais equilibrada e justa.

Encerrados dois mandatos eletivos de presidente, continuo a fazer política porque tenho uma crença profunda na humanidade. Na capacidade dos homens de lutar pela justiça.

Meu papel político, agora, é pregar que o desenvolvimento de um país deve representar a prosperidade de todos os seus cidadãos.

E é pregar que o desenvolvimento global, da mesma forma, deve ser o resultado do progresso de todos os continentes e de todos os países.

Este é o momento da inclusão dos pobres na economia dos seus países, e dos países pobres na economia mundial.

E gostaria de dedicar esse prêmio, que tanto me emociona, a todas as pessoas que acreditam e lutam por um mundo menos desigual.

Muito obrigado.