Faça parte. Contribua. Aprenda.

Contribua e aprenda com grandes intelectuais.
Doe R$ 200 ou mais e ganhe um curso. — Professor do mês: Marcio Pochmann.

Instituto Lula

Menu

MCMV: Lula realizou o sonho da casa própria de valadarenses

24/10/2017 07:22

Casas do Programa Minha Casa Minha Vida

Da Agência PT 

Com a caravana Lula pelo Brasil, etapa Minas Gerais, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai poder ver de perto mudanças profundas que os programas sociais implementados durante seu governo promoveram na qualidade de vida dos moradores de Governador Valadares, Vale do Rio Doce.

São mais de 55 mil pessoas beneficiadas peloBolsa Família. Os dados apontam 508 famílias que, pela primeira vez, tiveram acesso à luz, resultado do programa Luz Para Todos. Na educação, o número de matrículas no ensino superior entre 2003 e 2014 passou de 7 mil para mais de 11 mil estudantes. Esse aumento se deve à inauguração de um novo campus universitário e um de instituto federal na região.

No entanto, entre todos os programas, o que mais mudou a vida dos valadarenses foi o Minha Casa, Minha Vida, que realizou o sonho de mais de 8 mil famílias de ter em casa própria. Ao todo, foram investidos R$ 981 milhões só em Governador Valadares no programa durante os governos progressistas de anos recentes.

Criado em 2009 por Lula, o Minha Casa, Minha Vida subsidia a aquisição de moradia própria para diferentes faixas de renda.


Dalila da Cruz Ferreira mora em condomínio do Minha Casa Minha Vida. Foto: Kamilla Ferreira/Agência PT

Em Governador Valadares, Dalila da Cruz Ferreira, de 32 anos, é uma das beneficiadas pelo Minha Casa Minha Vida e agradece a Lula pelo programa.

“Agradeço muito a Deus depois e depois ao Lula, porque isso é a oportunidade que ele deu aos mais fracos, aos humildes, porque se não fosse ele, seria impossível. Ele pensa nas pessoas humildes, que tem menos condições. Porque hoje, para ter moradia própria é muito difícil. Por isso temos muito a agradecer a Deus e a ele, se não fosse ele não teríamos a nossa casa”.

Dalila conta que morou dez anos em um cômodo com um banheiro, até ser beneficiada pelo programa. “Aguentei muita humilhação”, relembra.

“Falavam que eu não ia conseguir, que não ia sair minha casa, mas falei que confiava. Fiquei muito feliz quando eu fui contemplada pelo Minha Casa, Minha Vida porque eu nunca imaginei que ia ter meu próprio lugar para morar e um dia deixar para os meus filhos. Falavam que eu não seria capaz e mostrei que nada é impossível”.

Além da moradia, o programa Bolsa Família ainda ajuda na alimentação da família de Dalila. “Fui contemplada com Bolsa Família também, foi muito bom, porque sou do lar, não tenho condições, tenho criança pequena. É pouco, mas ajuda bastante. É um leite, uma fralda, medicamente também. Quando as crianças passam mal e não tem o remédio, tem aquele dinheirinho que dá pra comprar”.


Para Rosilaine, a vida dos pobres melhorou no governo de Lula. Foto: Kamilla Ferreira/Agência PT

Para Rosilaine, moradora de um conjunto residencial do Minha Casa, Minha Vida na cidade, seria impossível adquirir o imóvel próprio sem o programa.

“Eu morava com a minha avó, depois a minha mãe construiu [uma casa] e a gente morava todos juntos. Depois entrei no núcleo de moradia e ganhei aqui. Sem o programa eu nunca teria minha casa, com um salário mínimo a gente mal passa para comer”.

Segundo Rosilaine “não faz muito com o salário mínimo. Já tem o desconto e vai comprar o básico não dá. Eu não teria condição nenhuma de comprar uma casa, pagar aluguel, a gente passaria fome. Muitas pessoas hoje pagam aluguel mas ficam sem comer dentro de casa”.

“Depois que Lula ganhou, as coisas para nós que somos pobres mudaram muito. Depois que Lula saiu, você vê agora, o gás aumentou,  gasolina aumentou. Para os ricos que tem condição é uma coisa, agora para os pobres, com o salário mínimo você mal tem o que comer. E o Brasil é pobre, os ricos são minoria”.

“Depois que Lula saiu, a gente que é pobre ficou prejudicado, muito Bolsa Família sendo cortado, quem não cortou diminuiu. O desemprego aumentou demais”.

Programa mudou vidas em Ipatinga

Na cidade de Ipatinga, foram investidos R$75 milhões para a construção de 1.051 moradias, sendo que mais da metade já foi entregue. Na principal cidade do Vale do Aço, que vem sofrendo com a crise do governo Temer, o programa Minha Casa Minha Vida garante a habitação das famílias mais carentes.


Soradia trocou o barracão por uma residência digna com o Minha Casa Minha Vida. Foto: Kamilla Ferreira/Agência PT

“Eu morava em um barracão de quatro cômodos e sobrava pouco dinheiro para poder comprar as coisas de conforto para dentro de casa. Era alugado, não era muito bom, hoje o apartamento é bem confortável. Lá as paredes não eram boas, o telhado chovia, mas era o que dava para a gente pagar”, conta Soradia de Barbosa da Silva.

“A vida era bem difícil, mas hoje, depois que a gente mudou para cá, as coisas melhoraram. Com o dinheiro do aluguel que sobrou, eu consegui comprar a máquina de lavar, consegui comprar televisão, foi tendo mais conforto dentro de casa”.

“A gente pode investir em educação, fazer cursos, e graças a deus e ao movimento organizado, associação de moradores, e graças ao Lula e Dilma que criaram o Minha Casa Minha Vida. Hoje eu tenho muita a agradecer a todos. Hoje eu já fico só planejando o que vou fazer, ano que vem quero fazer uma reforma no banheiro”.


Lilian Gomes Breder. Foto: Kamilla Ferreira/Agência PT

Mãe solteira de três filhos, Lilian Regiane Gomes Breder afirma que a casa própria trouxe mais independência e segurança para  a vida. “Às vezes precisava pagar o aluguel e não sabia se comprava comida para meus filhos ou se pagava o aluguel. Às vezes ficava devendo e juntava dois meses e ficava mais difícil para pagar, às vezes o aluguel aumentava e eu tinha que mudar, então a minha vida estava muito difícil mesmo”.

“Esse programa foi um sonho realizado porque até o fato de não ter que ficar mudando, porque eu mudava toda hora por conta de aumento de aluguel. Agora eu não preciso disso mais, nem tem como explicar. É muito mais segurança para a minha vida, dos meus filhos. E hoje em dia eu vejo as pessoas mudando, dou graças a deus que não preciso mais ficar mudando”.

Sueli chegou a dormir em rodoviária antes de ter casa própria. Foto: Kamilla Ferreira/Agência PT

Sueli de Fátima Pires é outra que relembra tempos difícil antes do Minha Casa Minha Vida. “Pagar aluguel era pouco. Pagar aluguel era se tivesse serviço. O pior foi o momento quando cheguei na cidade, até dormir em rodoviária eu dormi. E na luta. Me falaram sobre o projeto da associação, entrei de cara e coragem”.

“Hoje não pago aluguel, só pago minha água, minha luz, mudou tudo. A casa que a gente morava eu não sei se pagava pela água que caia do céu ou se estava pagando aluguel, que todas as casas que morei só servia para estragar as coisas. Hoje não, hoje é uma casinha digna, acho muito bonita minha casa, agradeço todo o dia a Deus, por quem fez e por quem me deu, são casas muito bonitas e muito organizadas”.

“Quero Lula de volta porque acho que só ele pode arrumar o país, só temos Lula para presidente”, finaliza Sueli.

Governo atual acaba com maior programa de habitação da história

Assim como tem feito com todos os avanços sociais promovidos pelos governos Lula e Dilma o golpista Michel Temer também quer acabar com o Minha Casa, Minha Vida, reduzindo as contratações para faixas de renda mais baixas. Da meta de entrega, segundo o próprio Ministério das Cidades, apenas 12% foram entregues em 2017.

Os números são tão absurdos que chocam: em todo país foram entregues apenas 1,8 mil unidades habitacionais para a faixa 1 em 2017. Esse número corresponde a 1% da meta de 170 mil de moradias para os mais pobres.

Da Redação da Agência PT de Notícias