Faça parte. Contribua

Vamos juntos manter o Instituto Lula em atividade neste primeiro semestre de 2018

Participe

Instituto Lula

Menu

Vozes da marcha: o racismo ainda organiza a nossa desigualdade

21/11/2017 17:30

Ativistas se concentram sob o vão do Masp antes da marcha (Roberto Parizotti/CUT)

Da Rede Brasil Atual 

Nem a chuva constante em São Paulo impediu que milhares de pessoas comparecessem à 14ª Marcha da Consciência Negra, realizada nesta segunda-feira (20). A prefeitura dificultou a saída da marcha, ao proibir o tráfego do caminhão de som que seria seguido pelo cortejo até da Avenida Paulista até o Teatro Municipal. A administração de João Doria (PSDB), que extinguiu a Secretaria de Igualdade Racial no início do ano, receberia ainda o "Troféu Raça Negra" na noite de ontem.

O Brasil é um país racista? A reportagem fez esta pergunta para pessoas que não participavam da manifestação. Voz dissonante, Antonio Funchal, servidor público, afirmou não concordar com a tese, seria um “mimimi das pessoas de achar que vivemos em um mundo de preconceitos”. As demais consideraram que existe, sim, racismo no país. Porém, quando perguntados se se consideram racistas, todos recusam o rótulo.

“As pessoas sabem que o Brasil é um país racista, mas não se consideram racista, porque pega muito mal ser racista. Ninguém merece ser enxovalhado na escola e em seu cotidiano, mas o fato objetivo é que o racismo organiza a desigualdade no Brasil”, afirmou Adriana de Cássia Moreira, professora e militante da Frente Alternativa Preta, uma das entidade responsáveis pelo ato.

Confira o vídeo na íntegra: