Instituto Lula

Menu

13 de maio: 131 anos de mentiras e lutas

13/05/2019 19:09

Da Fundação Perseu Abramo 

Há tempos o 13 de maio é uma das datas controversas do calendário democrático brasileiro. O Centro Sérgio Buarque de Holanda ajuda a entender os debates em torno desta data e a persistência do racismo e do preconceito no país.

Por ocasião do centenário da abolição da escravatura no Brasil, o Partido dos Trabalhadores lançava a campanha "Um século de lutas pela abolição dos preconceitos". Trinta e um anos depois, a mesma luta se impõe ao país, mais importante do que nunca.

Boletim Nacional do PT de maio de 1988 trazia o artigo "O centenário da antiabolição", no qual Florestan Fernandes chamava a atenção para as contradições do 13 de maio. A data marca a abolição oficial, pacífica, que buscava essencialmente libertar a economia dos entraves ao modo de produção capitalista. Em oposição a ela, houve outro movimento, liderado por negros escravizados e libertos anônimos e associado "à violência, à fuga, ao aparecimento de quilombos e à fermentação de conflitos sociais nas fazendas, nas zonas de plantações e mesmo nas cidades".

A então deputada federal constituinte Benedita da Silva, primeira mulher negra a ocupar um assento no Congresso Nacional, mostrava que não estava ali para comemorar conquistas, mas para representar a maioria até então silenciada. “Minha presença nesta Casa deve-se ao resultado do esforço comum das comunidades faveladas e de um partido que garantiu o espaço da maioria silenciada”, disse em seu primeiro pronunciamento na Câmara. Já naquela época ela denunciava, juntamente com o deputado Paulo Paim (PT-RS), o assassinato do operário negro Julio Cesar de Mesquita Pinto: “foi assassinado pela Brigada Militar do Rio Grande do Sul. "Qual o crime deste homem? Nascer negro?"

O mesmo boletim traz os textos "A democracia racial no Brasil é uma farsa", de Héldio Silva Junior, "Os negros no PT: organizar e transformar", de Flávio Jorge Rodrigues da Silva, e "Três vezes discriminada", de Sueli Chan Ferreira.

A história de lutas contra o preconceito e reflexões sobre racismo, escravidão e a participação do negro na sociedade e na política está documentada em cartazes, fotos e textos no acervo do Centro Sérgio Buarque de Holanda, da Fundação Perseu Abramo.

Alguns documentos do acervo sobre o 13 de maio:

Cartaz 100 anos de mentira: 1888 – 1988 centenário da abolição

Cartaz 1988 1988: Um século de lutas pela abolição dos preconceitos

Cartaz 13 de maio? (Sindicato dos Bancários, 1982)

Artigo: “O centenário da antiabolição”, Florestan Fernandes (pg. 210)

Artigo: “Treze de maio: todos a S. Bernardo”, Mariângela Haswani (pg. 169)

Jornal: "Um século de lutas pela abolição dos preconceitos", Jornal Boletim Nacional (PT), edição 35, maio de 1988.