Instituto Lula

Doe agora
Menu

Cooperação científica entre Brasil e África dá origem a exposição artística na Fiocruz

01/10/2012 12:45

A aproximação do Brasil com os países africanos não se deu apenas no campo dos negócios. Essa afinidade cada vez maior tem sido observada também na cultura e até nas ciências. Um exemplo inesperado e muito representativo disso é a exposição "O Corpo na Arte Africana", que acontece na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) até janeiro do ano que vem. A exposição é resultado do interesse de pesquisadores brasileiros que participaram de missões da fundação no continente e se apaixonaram pela arte africana e acabaram formando importantes coleções, que serão expostas agora pela primeira vez ao grande público. Além de estabelecer laços nas áreas de educação, pesquisa e saúde, os pesquisadores da Fiocruz agora presenteiam o público com cerca de 140 esculturas, máscaras e objetos adquiridos por pesquisadores da Fundação em missões aos países africanos.

A exposição, inaugurada no dia 17 de setembro, comemora ainda o sucesso da cooperação Fiocruz-África e marca a aprovação em 2012, pelo Congresso Nacional brasileiro, da abertura do primeiro escritório internacional da Fiocruz, localizado em Maputo, capital de Moçambique.

Para Luisa Massarani, chefe do Museu da Vida, a exposição chama atenção para a colaboração científica entre o Brasil e países africanos. “Mas buscamos contar esta história de uma forma charmosa e inesperada, tendo como ponto de partida a paixão despertada em pesquisadores brasileiros pela arte africana”, disse. “A mensagem subliminar aqui é que ciência e arte caminham juntas”, finaliza. “Montar a coleção foi um grande prazer e, agora, poder exibi-la e ajudar na valorização da riquíssima arte africana em nosso país é uma oportunidade incrível”, comenta Savino, um dos colecionadores e curador da exposição.

Corpo e arte

Exposição única, O Corpo na Arte Africana conta com cerca de 140 obras de arte reunidas pelos pesquisadores Wilson Savino, Wim Degrave, Rodrigo Corrêa de Oliveira e Paulo Sabroza.

As obras estão divididas em cinco módulos: “Corpo individual & Corpos múltiplos”; “Sexualidade & Maternidade”; “A modificação e a decoração do corpo”; “O corpo na decoração dos objetos”; e “Máscaras como manifestação cultural”. A mostra conta ainda com 14 fotografias cedidas pelo colecionador francês Gérard Lévy, com registros que datam do período entre o fim do século 19 e o início do século 20.

O módulo “Corpo individual & Corpos múltiplos” mostra que muitas vezes uma estátua não representa um homem ou uma mulher, mas um ser humano completo, com uma parte física e uma parte espiritual. As peças de corpos múltiplos simbolizam a complementaridade dos dois gêneros na reprodução dos humanos e também a cooperação nas atividades humanas, como a agricultura, coleta, pesca ou caça.

Em “Sexualidade & Maternidade”, as peças indicam que a sexualidade entre os povos africanos é bastante associada à fertilidade, o que explica a presença, em diversas etnias, de esculturas simbolizando o “casal primordial”, que teria dado origem a cada linhagem. Já representações associadas à maternidade, abundantes na arte africana, demonstram a importância da fecundidade para a mulher.

O continente africano talvez seja o lugar onde o homem mais utilize o corpo como objeto a ser esculpido, submetendo-o a diversas intervenções perenes ou temporárias. É este o tema do módulo “A modificação e a decoração do corpo”. Algumas dessas intervenções corporais funcionam como marcas de pertencimento a uma tribo, a uma classe ou estão ligadas ao status do indivíduo no grupo.

No módulo “O corpo na decoração dos objetos”, é mostrado que representações humanas em desenhos, entalhes e esculturas ornamentam vários objetos e utensílios africanos, como instrumentos musicais, cetros, mobiliário, portas, cachimbos, colheres e recipientes. Além da decoração, estes objetos especiais dão prestígio ao dono e muitas vezes refletem a posição hierárquica que ele ocupa.

O módulo “Máscaras como manifestação cultural” aborda o significado de algumas máscaras, que, ao cobrirem o corpo humano ou uma de suas partes, transformariam aqueles que as vestem na encarnação de divindades ou ancestrais.

Gisele Catel, historiadora, antropóloga e curadora da exposição, enaltece a importância e diversidade da arte africana. “Temos objetos de cerca de 50 etnias e cada uma delas é um universo. Como estamos fazendo uma exposição unindo todas elas, optamos pelo diálogo direto da obra de arte com o público. O acervo desta exposição é resultado de milhares de anos de arte. A civilização africana é muito antiga e sua arte é milenar”.

O Corpo na Arte Africana ocupa a Sala de Exposições temporárias do Museu da Vida até janeiro de 2013 e pode ser visitada de terça a sexta, das 9h às 16h30, por grupos agendados.

No sábado, a visitação é livre, das 10h às 16h. Para mais informações, visite o site www.museudavida.fiocruz.br