Instituto Lula

Menu

Moro escondeu gravações para obstruir posse de Lula como ministro

09/09/2019 12:10

Uma reportagem publicada pelo jornal Folha de S. Paulo neste domingo (8), com informações obtidas pelo The Intercept Brasil, mostrou que os grampos de conversas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em março 2016, divulgados ilegalmente pelo então juiz Sergio Moro, eram seletivos. As mensagens deixam claro que o magistrado pretendia reforçar a hipótese de que Lula aceitara um convite para ser ministro-chefe da Casa Civil como forma de obstruir a Justiça – todos os diálogos que contrariavam essa narrativa foram mantidos em sigilo.

Na época desses acontecimentos, a jornalista Carol Pires trabalhava na revista Piauí e produzia uma matéria sobre Lula. O texto acabou não sendo publicado, mas durante o trabalho de apuração ela se deparou com informações que confirmam que Lula só aceitou o ministério com a condição de poder ajudar o Brasil. 

Na ocasião, Moro divulgou à Rede Globo uma conversa entre a então presidenta da República, Dilma Rousseff (PT), e Lula, o que levaria o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, a suspender a nomeação de Lula como ministro. 

As conversas entre membros da força-tarefa da Lava Jato no aplicativo Telegram divulgadas neste domingo, no entanto, mostram que a entrada de Lula no governo tinha como objetivo "salvar" o governo em crise, por meio de uma tentativa de reaproximação com Temer e o MDB. É essa a preocupação que o presidente expressa em quase todos os telefonemas omitidos por Moro.

O assunto teria sido discutido entre o juiz e integrantes do Ministério Público. Moro pediu relatórios com transcrições dos diálogos considerados mais relevantes. Em 15 de março, na véspera da nomeação de Lula, a polícia anexou aos autos da investigação 44 arquivos de áudio.

Membros da força-tarefa entendiam como irregular a decisão de Moro de levantar o sigilo e divulgar parte dos áudios. Cinco dias depois do vazamento, o ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no STF, suspendeu as decisões de Moro, afirmando que o sigilo havia sido levantado “sem nenhuma das cautelas exigidas em lei”. Mesmo assim, a anulação da posse de Lula como ministro foi mantida.

Em nota, os advogados de Lula disseram que a reportagem "auxilia a reconstrução da verdade histórica e expõe as grosseiras ilegalidades praticadas por Moro e pelos procuradores da Lava Jato contra o ex-presidente Lula, contra os seus advogados, e também contra o STF.

Edição: Daniel Giovanaz