Instituto Lula

Doe agora
Menu

O que está por trás do Ebola

08/09/2014 16:16

Na semana passada, o Instituto Brasil África reuniu em Fortaleza, Ceará mais de 200 autoridades do Brasil e do continente africano a fim de discutir alternativas na área de infraestrutura entre o os dois lados do Atlântico. Nos dois dias do 2º Fórum Brasil África, muitos investidores brasileiros relataram que o retorno do investimento na África é maior do que em qualquer outra região emergente do planeta. A explicação, de acordo com a maioria dos especialistas se baseia principalmente no grande potencial de consumo de sua população, estimada em mais 1,1 bilhões de pessoas(com perspectivas de chegar a 2 bilhões em 2050), proporcionando às empresas uma força de trabalho maior do que até mesmo a China ou a Índia.

Durante o evento, ficou evidente que a África tem testemunhado alguns saltos tecnológicos notáveis. Uma década atrás, infraestrutura de telecomunicações era quase inexistente. Hoje, uma em cada seis pessoas possui um telefone móvel, cujos benefícios vão muito além de uma comunicação fácil. A África foi pioneira no uso de mobile banking, demonstrando como as novas tecnologias podem oferecer serviços financeiros vitais para a população sem conta bancária. De forma criativa, o dinheiro móvel (créditos nos celulares) elimina a necessidade de dinheiro físico em áreas rurais, onde os serviços financeiros são limitados.

Dentre as conclusões apresentadas por representantes de muitos governos da África, agentes de organismos brasileiros e empresários, se destacam as oportunidades de parcerias em diversas áreas nos próximos anos no setor de infraestrutura. Por outro lado, o rápido crescimento econômico do continente e da urbanização também está criando novos desafios, notadamente por que a expansão econômica está ocorrendo não apenas nos centros urbanos, mas em pequenas cidades. E um desses desafios, senão o mais importante neste momento é condição e de saúde da população e a assistência médica inadequada.

Agora, os países africanos de forma integrada, através de ações isoladas e coletivas, precisam enfrentar de urgentemente seus problemas internos, e assim evitar o duplo fardo das doenças transmissíveis e não transmissíveis, o que certamente poderia comprometer o potencial económico do continente. E para o combate ao problema, três áreas críticas e imprescindíveis devem ser abordadas:a tecnologia,a infraestrutura e educação.

Como exemplo prático, juntando a revolução da telefonia móvel citada anteriormente, a empresa Novartis através do uso de mensagens de texto e o mapeamento eletrônico está trabalhando com cinco governos africanos e alguns parceiros do setor privado na distribuição de medicamentos e monitoramento da malária em áreas rurais.

Antes, os pacientes precisam se deslocar aos postos de saúde para descobrir que os medicamentos que precisavam não estavam mais em estoque. Agora, graças ao SMS, os medicamentos vitais podem ser rapidamente redistribuídos para onde eles são mais necessários.

Outro eficiente exemplo é apresentado pela brasileira Fiocruz que na década 1990 iniciou suas atividades de cooperação com os países de língua portuguesas da África através do envio de instrutores para ajudar a divulgar recomendações sobre a saúde pública. Em 2005, a empresa expandiu suas atividades com o objetivo de fornecer a capacidade institucional de cada país para criar a sua própria governança da saúde pública e construir seus sistemas. Recentemente a Fiocruz começou as operações de sua unidade de produção de antirretrovirais em Moçambique.

Um segundo aspecto fundamental da melhoria dos cuidados de saúde em África é infraestrutura. Boas linhas ferroviárias, estradas e portos permitem que os produtos e serviços sejam amplamente distribuídos a um custo menor, e para beneficiar de economias de escala. Esse é um componente essencial do desenvolvimento econômico de qualquer país. Aqui, cabe destacar que muitas empresas brasileiras já estão oferecendo alternativas de melhorias infra estruturais em diversas regiões de África. Mas o espaço ainda está bastante aberto para aquelas que ainda não atravessaram o Atlântico.

Finalmente, a educação deficiente também afeta a saúde. Embora a África represente um sétimo da população do mundo, a Organização Mundial da Saúde denuncia que o continente tem um quarto do número global de doenças, contando com apenas 2% dos médicos de todo o mundo. Sem surpresa, muitos problemas de saúde resultam de ignorância sobre doenças e higiene básica. 

A educação, indiscutivelmente, é uma das ferramentas mais poderosas para reduzir a pobreza e gerar inclusive um crescimento econômico sustentável. Neste sentido, as parcerias público-privadas estão ajudando a mudar este quadro.

A título de exemplo, cito a iniciativa conjunta do Instituto Terra, ONU e várias empresas privadas que decidiram treinar e implantar até o ano 2015 um milhão de agentes comunitários de saúde na África Subsaariana com o objetivo de levar tratamento básico e cuidados preventivos, além de rastrear surtos de doenças.

A África certamente está na agenda global e agora com os muitos óbitos causados pelo vírus do Ebola o continente está (deveria estar muito mais) no centro das discussões. Esta semana a Organização Mundial de Saúde reuniu em Genebra, Suíça, mais de 200 especialistas para revisar os recentes desenvolvimentos em possíveis tratamentos para o Ebola e discutir as possíveis curas e vacinas para a doença mortal.

Algumas vacinas estão sendo desenvolvidas por pelo menos três empresas e os testes em humanos estão programadas para começar até o final deste ano.

Na contramão da eficácia dos resultados, de forma paliativa, na última quarta-feira, a ONU informou que destinaria 600 milhões de dólares para fornecer os materiais necessários para conter e propagação de combate de Ebola. No mesmo tom, as autoridades de saúde dos EUA dizem que a chave para a contenção do surto será aumentar o número de centros de tratamento de Ebola, fornecendo equipamento de proteção para os trabalhadores de saúde e monitoramento dos contatos de pessoas infectadas.

Não restam dúvidas que o continente africano está cada vez mais mostrando sinais de sua promessa, e as soluções inovadoras para melhorar a saúde de seu povo são essenciais para que o continente mostre o seu potencial.

Além de filantropia, as ações exigem novos modelos comerciais que resolvem problemas de saúde, ajudem a economia a crescer, e beneficiem aqueles que investem no futuro da África.

Publicado originalmente em: http://www.opovo.com.br/app/opovo/mundo/2014/09/06/noticiasjornalmundo,3310438/o-que-esta-por-tras-do-ebola.shtml