Instituto Lula

Doe agora
Menu

1º de Maio virtual: 30 artistas e defesa da democracia

30/04/2020 09:19

Por Rede Brasil Atual

Saúde, emprego e renda são os temas do 1º de Maio 2020. A edição deste ano, de forma inédita, devido à pandemia, será uma manifestação virtual, das 11h30 às 15h30 da sexta-feira.

Além da importância crescente da solidariedade em tempos de covid-19, as centrais sindicais vão reunir uma “frente anti-Bolsonaro” entre seus convidados. Muitos já defendem abertamente o impeachment do presidente.

A questão sanitária e trabalhista será lembrada com depoimentos de representantes de organismos internacionais, como Organização Mundial da Saúde (OMS) e Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Entre os convidados do evento, estão adversários políticos e ex-presidentes, como Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Também deve encaminhar mensagem o ex-candidato Ciro Gomes (PDT).

Confirmaram “presença” ainda o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), a ex-candidata presidencial Marina Silva (Rede) e o líder do PV José Luiz Penna.

O espectro partidário inclui PT, PCdoB, PSB, PDT, Psol, PSTU, Rede, SD e PV. São aguardadas as confirmações dos presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli.

Até o nome do papa Francisco foi incluído. Caso não seja possível obter uma mensagem do Vaticano, a alternativa será um representante da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O evento, inclusive, deverá começar com a participação de representantes de diversas religiões.

Pastoral Operária

A lista de artistas “presentes” à manifestação virtual reúne aproximadamente 30 nomes. Alguns farão lives. O cantor Chico César, por exemplo, apresentará vídeos gravados.

Os organizadores confirmam, além dele, Fernanda Takai, Francis e Olívia Hime, Leci Brandão, Marcelo Jeneci, Odair José, Otto, Paulo Miklos, Toninho Geraes e Zélia Duncan. Os atores Fábio Assunção e Osmar Prado também falarão.

Escravidão dos novos tempos: a precarização do trabalho” é o tema escolhido pela Pastoral Operária para o 1º de Maio 2020. Uma oportunidade para refletir sobre “os novos arranjos em torno do trabalho, sem direitos, sem remuneração digna, sem proteção”. Problemas que já vinham sendo enfrentados e que foram acentuados pela pandemia.

A Pastoral Operária reforça a importância da solidariedade neste momento. “Quando a classe dos patrões pede o fim do isolamento e o retorno ao trabalho em meio à pandemia, mesmo empresários de grande capital financeiro, significa que "eles/as sem nós não geram riquezas". A força da produção está em nossas mãos, mentes e corações”, afirma.

A entidade lembra do caráter inédito da data, sem manifestações de rua. “A memória do dia internacional das trabalhadoras e dos trabalhadores neste ano será em nossas casas, com nossas famílias e nas redes sociais para os que puderem acompanhar”, diz a Pastoral, ao criticar a “modernização neoliberal” no mundo do trabalho e lembrando que muitas famílias estão na informalidade, sem direitos e “sobrevivendo graças à solidariedade de outras pessoas”.