Faça parte. Contribua. Aprenda.

Contribua e aprenda com grandes intelectuais.
Doe R$ 200 ou mais e ganhe um curso. — Curso do mês: Filosofia e feminismo, com Marcia Tiburi.

Instituto Lula

Menu

Entenda como a reforma da Previdência amplia a desigualdade

11/07/2019 09:55

Foto: Agência Brasil

Após aprovação do texto-base na comissão especial da Câmara, a reforma da Previdência foi a votação em plenário nesta quarta-feira (10). O texto apresenta algumas mudanças com relação a proposta apresentada pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL). No entanto, continua partindo de uma premissa que amplia a desigualdade social no Brasil.

O ex-ministro da Previdência Social Carlos Gabas explica que a reforma da Previdência é, na verdade, um “ ajuste fiscal na conta dos mais pobres”.

Gabas ressalta que grande parte da economia de R$ 1 trilhão que o governo pretende fazer com a reforma vai sair do Regime Geral da Previdência Social. Nesse sistema, a média dos benefícios é de R$1.400. “A reforma está tirando R$1 tri de gente pobre, reduzindo e cortando direitos a longo prazo”, critica.

A proposta é considerada por Gabas um “processo perverso de ampliação da concentração de renda no Brasil”. Isso porque penaliza os trabalhadores, mas não cobra das grandes empresas, produtores e bancos.

Uma prova disso é que a reforma manteve isenções tributárias aos grandes produtores rurais que exportam seus produtos. Com a concessão, a Previdência vai perder mais de R$ 80 bilhões em dez anos.

O ex-ministro justifica que, em um sistema capitalista que produz desigualdades, a Previdência social, é imprescindível para a redução dessa diferenças. “O modelo de repartição, o modelo solidário combate desigualdades. E o que o governo está fazendo é desmontar esse sistema, tirar da Constituição a maioria das regras”.

Reforma não soluciona crise econômica

Além disso, a reforma não é capaz de resolver a crise brasileira, pois retira dinheiro da economia.

“A reforma não resolve a queda da atividade econômica no Brasil. O país está vivendo quase uma recessão, um processo de perda de empregos, perda de salários, perda de renda”, contextualiza o ex-ministro citando que todos os institutos de pesquisa econômica mostram a queda na renda do povo brasileiro.

Economistas já mostram, se a reforma da Previdência for aprovada, o Brasil vai perder 5 milhões de vagas de trabalho em dez anos. Isso porque a proposta retira recursos da economia, principalmente nos pequenos municípios onde muitas famílias dependem das aposentadorias para sobreviver.

Nesse contexto, Gabas reitera que a proposta continua “levando desigualdade social e fazendo com que o trabalhador mais pobre pague a conta do ajuste fiscal”.

Por reformadaprevidênciabrasil.com.br