Instituto Lula

Menu

Lula responde a Bolsonaro sobre seu legado na Educação

17/05/2019 15:00

Na quinta-feira (16), um dia depois do Brasil se levantar contra os cortes nas universidades e institutos federais promovidos pelo governo, Bolsonaro decidiu ironizar em seu Twitter, postando um vídeo em que Lula explica o contingenciamento de orçamento feito durante seu mandato, em 2010. Provocou logo o presidente que mais fez pela Educação na história do país. Coube a Lula responder ao governante tuitero.

Durante os governos Lula, foram bloqueados R$ 1,5 bilhão da Educação, no início da crise econômica de 2008. No governo Bolsonaro, o MEC já anunciou um corte de R$ 5,8 bilhões.

Para se ter uma ideia de como a educação foi prioridade no governo do ex-presidente, é preciso falar de números. Ou melhor, de verba. O orçamento para a pasta, em 2003, era de R$ 18,1 bilhões, pulando para R$ 54,2 bi, em 2010. Um salto de quase três vezes o valor, em oito anos de governo Lula. Se considerarmos até 2016, ano em que Dilma sofreu o golpe, o montante atinge 100 bilhões.  

A proporção dos valores destinados à educação em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) também aumentou. Entre o intervalo de 2006 a 2013, o número passou de 4,9% para 6,2%, segundo dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) publicados pela A Pública.

Confira outros indicadores da revolução promovida por Lula na Educação:

Em 2007, Haddad criou o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) para avaliar a qualidade do ensino nas escolas públicas e, assim, desenvolver ações para superar os principais desafios encontrados. Entre 2007 e 2013, o Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) destinou recurso para mais de 37 mil escolas, priorizando aquelas com Ideb abaixo da meta nacional. No total, o governo federal investiu R$ 1,4 bilhão para os planos de ação de cada uma dessas escolas.

Também parte do PDE, o Caminho da Escola renovou e ampliou a frota de veículos escolares da rede pública. Para atender o maior número possível de crianças, principalmente aquelas que vivem em lugares distantes, foram disponibilizados 40 mil veículos. O programa também distribui bicicletas e lanchas, de acordo com a necessidade de cada região.

Com o Mais Escola, outro programa criado pela gestão Haddad/Lula, ampliou-se a jornada de 57 mil escolas públicas para, no mínimo, 7 ou mais horas diárias, um investimento de R$ 4,5 bilhões. Além das disciplinas regulares, são oferecidas atividades como acompanhamento pedagógico, educação ambiental, esporte e lazer, direitos humanos em educação, cultura e artes, cultura digital, entre outras.

Com Haddad à frente do MEC, também foi criado o Prouni, o maior programa de concessão de bolsas para o ensino superior do mundo. Até 2015, 2,55 milhões de pessoas tiveram acesso a universidades pagas. E pelo Fies, fundo de financiamento para ensino superior privado já existente, mas reformulado e fortalecido, foram 2,14 milhões os beneficiados.

No governo Lula, também foi idealizada a Reestruturação e Expansão de Universidades Federais. Processo de expansão sem precedentes na história do Brasil, o Reuni permitiu que a universidade pública chegasse ao interior do país. Em todo o Brasil, graças ao programa, foram criados 173 campi universitários e 18 universidades federais. O número de matrículas duplicou, de 2003 a 2014: de 505 mil para 932 mil. O número de professores universitários da rede federal também aumentou no período, de 40,5 mil para 75,2 mil.

Com informações do lula.com.br.